Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dos Meus Livros

A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. Fernando Pessoa.

| 157 |

- Mas Homero era cego. Como podia saber de que cor era o mar? - perguntou a rapariga.

Ismael segurou-lhe na mão e, com um forte impulso, içou-a até ao embarcadouro.

- Mais uma razão para acreditar só no que vês - respondeu o rapaz, continuando a segura-lhe na mão.

As palavras de Lazarus durante a primeira noite em Cravenmoore vieram à mente de Irene.

- Às vezes os olhos enganam notou.

As Luzes de Setembro

Carlos Ruiz Zafón

| 155 |

Vi coisas que nunca julguei que pudessem acontecer... Há sombras no mundo, Ismael. Sombras muito piores do que qualquer coisa contra a qual tu e eu lutámos naquela noite em Cravenmoore. Sombras ao lado das quais Daniel Hoffmann é apenas uma brincadeira de crianças. Sombras que vêm de dentro de cada um de nós.

As Luzes de Setembro

Carlos Ruiz Zafón

| 154 |

- Voltemos para casa - disse ele.

Irene assentiu e juntos refizeram os seus passos pela orla da praia, até à Casa do Cabo. Enquanto o faziam, um único pensamento atravessou a mente da rapariga: num mundo de luzes e sombras, todos, cada um de nós, devia encontrar o seu próprio caminho.

As Luzes de Setembro

Carlos Ruiz Zafón

| 129 |

- Como me disse uma vez uma professora que dava aulas de leitura numa escola de Bombaim - disse Sheere -, a principal diferença entre um homem e uma mulher é que um homem põe sempre o estômago à frente do coração. Uma mulher faz sempre o contrário.

O Palácio da Meia-Noite

Carlos Ruiz Zafón